Lagarto

10 animais exóticos que você pode ter em casa.

Muitas pessoas gostam de fugir do que é comum e escolhem ter em casa animais exóticos, bem diferente de um cachorro ou de um gato

Os animais de estimação mais comuns nas residências de todo o mundo são o cachorro e o gato. Peixes e aves também não ficam muito atrás. Mas, mesmo com os variados preços, raças e características desses animais, há pessoas que não se sentem confortáveis dentro do que é tradicional e preferem a excentricidade. A escolha delas são os animais exóticos.

Répteis e mamíferos são os mais populares dentro do mundo dos animais exóticos que podem ser comercializados e criados dentro de casa. Saiba quais são alguns deles e nos conte se você teria algum deles como seu animal de estimação.

Cacatua

A cacatua é uma ave que está na lista dos animais exóticos que você pode ter em casa

A Cacatua é uma ave australiana que vive também em outras regiões banhadas pelo oceano Pacífico. Elas podem ter até 2kg e 80 cm. Ela vive em torno de 65 anos, um pouco menos do que os famosos papagaios, que vivem 80 anos. Seu preço gira em torno de R$ 8 mil em criadores e lojas legalizadas.

Se você estiver pensando em adquirir essa ave, saiba que elas precisam de, no mínimo, 10 horas diárias de atenção. E caso você não as dê, se prepare para passar a noite em branco para brincar com a ave que é extremamente mimada (mais do que vários cachorrinhos, para você ter uma ideia).

Corn Snake ou “cobra de milho”

A cobra do milho é muito tranquila

Sim, a cobra também faz parte dos animais exóticos que você pode criar dentro de casa – se tiver coragem e disposição. A Corn Snake possui um temperamento sossegado, além de ser dócil chama a atenção por suas cores bonitas e chamativas. A facílima manutenção é um fator que possibilita sua criação caseira e que chama a atenção de compradores.

Elas se alimentam de pequenos vertebrados, como é o caso dos ratos, por exemplo. A alimentação é realizada uma vez por semana e o animal, comprado em criadores legalizados, custa entre R$300 e R$600.

Iguana

A iguana é um dos animais exóticos mais populares

O réptil já foi uma verdadeira sensação e foi adquirido por muitas pessoas, mas continua presente na lista dos animais exóticos para se ter em casa . Devido à popularidade que já alcançou, hoje existem até rações específicas no mercado, o que facilita na hora da alimentação do animal. Alguns cuidados na criação são essenciais, já que eles são muito sensíveis ao frio ou ao calor. O valor médio do iguana está entre R$400 a R$800.

Tarântula

A tarântula é um animal exótico que não é venenoso para o homem

As aranhas é um dos animais exóticos para se ter em casa que divide muitas opiniões: algumas pessoas tem pavor, outras amam, e são essas que irão desejar ter uma tarântula em casa. Ela é um animal de fácil criação, basta colocá-la em um aquário e alimentá-la com insetos. Ao contrário do que muitos pensam, ela não é um animal venenoso para os humanos, mas pode ser perigoso quando falamos de outros mamíferos. O preço dela vai depender de sua raridade, podendo variar de R$ 500 a R$ 1500.

Teiú

O Teiú é um réptil que pode chegar a até 2 m de comprimento

A aparência não é o seu ponto forte, porém, se adquirido já quando filhote, ele pode ser amoroso e dócil. O animal, que custa entre R$500 e R$1200 pode chegar a até 2m de comprimento, motivo pelo qual precisa de muito espaço para ser criado. Ele se alimenta de ovos, animais pequenos (como ratos) e vegetais em geral.

Jiboia

A Jiboia é um animal exótico que não precisa nem de carinho nem de atenção do dono

Outra espécie de cobra que pode ser criada em casa é a jiboia. A principal informação que se precisa ter em relação a essa espécie é que ela não é domesticada, então não necessita nem de carinho nem de atenção. A alimentação se baseia em aves ou roedores (mortos ou vivos) que são vendidos exatamente para essa finalidade. Uma jiboia precisa de um espaço grande e pode viver por até 15 anos, seu preço gira em torno de R$ 1000 a R$ 2000.

Micro porco

O mini porco também pode ser considerado um animal exótico

Se você deseja ter um animal exótico, mas não silvestre e com características parecidas com a de um animal de estimação tradicional, o mini porco pode ser uma ótima opção. Eles são considerados animais muito inteligentes, ficando atrás apenas do macaco, do golfinho e de nós humanos. O tamanho do porco de estimação não passa de 40 cm (há quem prefira ter o porco comum, que é bem maior) e seu preço pode chegar a R$ 2000.

Tartaruga Tigre d’água

A tartaruga tigre d'agua é um animal que pode ser facilmente comprado

Com R$100 a R$300 você pode ter um animal nada bagunceiro e bem exótico: uma tartaruga tigre d’água. Elas são aquáticas, porém, precisam passar alguns períodos no sol para respirarem e manterem a saúde em dia. Elas são facilmente encontradas em pet shops.

Furão

O furão também faz parte da lista dos animais exóticos

Divertidos, agitados e extremamente bagunceiros os furões se alimentam de ração específica e exigem uma série de cuidados com a saúde, por isso, fique atento. A espécie de animais exóticos para se ter em casa vive entre 6 e 8 anos e custa de R$800 a R$2000.

Sagui

O sagui é a única espécie de macaco que pode ser domesticada legalmente

O sagui, que pode custar até R$5000, é a única espécie de macaco legalizada para domesticação em território brasileiro. Ele se alimenta de frutas, insetos, cereais e legumes. Por mais que seja pequeno, é preciso criá-lo em um grande espaço, eles são animais com muita energia.

Dicas na criação de animais exóticos

  • Só adquira animais exóticos em lojas ou criadores com atividades legalizadas pelo IBAMA. A melhor forma de ter certeza da legalidade é entrando em contato com a própria instituição.
  • Não compre um animal exótico por razões banais. Criá-lo exige responsabilidade, dinheiro e tempo.
  • Por mais que todos os animais exóticos apresentados aqui sejam legalizados no Brasil, há ainda a restrição de alguns deles por estado. Antes de adquirir um pet diferenciado, confira se ele é legal na área onde você vive.
  • Nem todas as clínicas veterinárias são especializadas no cuidado de animais exóticos ou silvestres. Sendo assim, conheça um veterinário especializado e de confiança para cuidar do seu novo bichinho.

Matéria retirada de http://canaldopet.ig.com.br/

Whats App (21) 98479-2939 ou Tel.: (21) 3297-2939 / 2201-7331.
Visite nossa página no facebook.
#shoppingdosbichos #saúdepet #mamãespet #contecomoshoppingdosbichos #petlovers #catlovers #doglovers #euamomeupet #apaixonadosporpets

Tartaruga

Aprenda a cuidar de uma tartaruga aquática em casa

Mesmo não sendo animais muito ativos e interativos, as tartarugas também precisam de carinho e atenção

Pode não parecer, mas a tartaruga é um animal de estimação bastante comum nas casas. Ela pode não estar na lista dos tradicionais, como cão, ave e gato, porém também não está entre os exóticos. Existem várias espécies de tartarugas domésticas, mas no caso iremos falar sobre as aquáticas.

As que vivem na água precisam, obviamente, de um aquário para viver. Geralmente são bem pequenas, fofas e cabem na palma da mão. Podem não ser muito ativas e interativas, mas seu aspecto encantador compensa. As crianças ficam fascinadas por esse réptil. Dar uma tartaruga para seu filho pode ser um ótimo aprendizado sobre responsabilidade e cuidados com os animais.

A tartaruga aquática pode ser criada dentro de casa

No entanto, cuidar desse pet não é fácil. Pode parecer estranho que um bicho tão pequeno exija tanto cuidados e alto custo, mas é o que acontece. Antes de adquirir uma, saiba que a tartaruga é um investimento de longo prazo. Se for bem cuidada, pode viver uns 50 anos e algumas espécies chegam até os 100, o que significa que poderá viver mais do que você. Veja se você tem condições de cuidar por longos anos dela.

Adquirir uma tartaruga exige responsabilidade e tempo do dono. Você precisará ceder um espaço na casa, ficar atento com a alimentação e manter o aquário sempre limpo. E não esqueça que, embora não saiam para passear ou não possam brincar fisicamente, também precisam de atenção e muito amor. Mas, se você ainda sim deseja ter esse bichinho, precisa escolher a espécie e aquirir a sua.

Escolhendo a tartaruga

A maioria dos pet shops vendem tartarugas aquáticas, por isso pode não ser difícil de encontrar. Certifique-se que o local é de confiança e conver com um vendedor para ver qual é a melhor espécie para você. Também vale entrar em contato com criadores legalizados para adquirir a sua. Garanta que você está adquirindo um bicho em boas condições da saúde.

Comprando os utensílios

Em lojas especializadas é fácil encontrar um aquário ou terrário apropriado para sua tartaruga. As aquáticas precisam ter seu próprio habitat, com uma piscina de profundicade suficiente para nadar tranquilamente e uma área seca, para que se secar, tomar sol e descansar.

O tamanho do ambiente irá depender do tamanho da tartaruga. Como base, conte com um tamanho de pelo menos três ou quatro vezes o comprimento do réptil. Ela precisa se movimentar de forma confortável pelo aquário. Sempre preze pelo tamanho maior, pois irá proporcionar uma condição de vida melhor. Tenha em mente que talvez precise trocar ao longos dos anos caso a tartaruga cresça.

Adicione decoração no aquário. Compre palmeiras, castelos ou plantas de plásticos para tornar o ambiente mais bonito e agradável. É bom criar um local bem próximo do real para seu animal.

É importante que a tartaruga se movimente de forma confortável no aquário

A importância da temperatura

Como todos os répteis, as tartarugas são ectotérmicas, ou seja, não tem mecanismos internos para regular sua temperatura e precisam do auxílio de fatores externos. Por isso são conhecidos por animais de sangue frio. Dessa forma, a atenção com a temperatura é algo muito importante para a saúde da tartaruga.

A temperatura da água deve ser morna, entre 26ºC e 30ºC. É importante que ela não varie em relação a temperatura externa, caso contrário quando saírem da água haverá uma mudança demasiado brusca, que com o tempo pode afetar a saúde. Na parte seca, o aquário deve ficar num local da casa em que raios solares atingem essa região. Se não tiver um ambiente que receba luz natural, compre uma lâmpada que simule o efeito e que aponte para a parte seca.

A luz é indispensável na vida de um réptil. Ela irá garantir a saúde dos ossos e carapaça. Então, jamais deixe o aquário perto de correntes de ar e a tarturuga não deve suportar temperaturas abaixo de 5°C ou acima de 40°C.

Alimentação

Em lojas de animais é possível encontrar alimentos apropriados para tartarugas. Elas são animais onívoros, isso significa que comem de tudo. Por isso, você pode variar a dieta dando peixe cru e com pouca gordura, vegetais, grilos, larvas ou pequenos insetos. Antes de decidir como alimentar o pet, consulte um especialista para te aconselhar nessa tarefa.

A quantidade de comida irá variar coforme a idade. No caso dos filhotes, deverá alimetá-los uma vez ao dia e se for grande, faça isso apenas três vezes por semana. O especialista também pode te ajudar a saber a quantidade exata de alimento e quando oferecê-lo de acordo a espécie. Lembre-se de reservear um lugar apenas para colocar a comida, facilitando também a limpeza.

Cuidado, pois esse réptil come tudo que vê pela frente. Por isso é importante verificar se o que ele está ingerindo é adequado às suas necessiadades nutricionais. Jamais ofereça comida industrializada, muito temperada ou açucarada.

Uma alimentação saudável e balanceada garante a longevidade da tartaruga

Higiene

A limpeza do aquário é algo indispensável. Caso tenha condições, compre um sistema de filtros em lojas de animais, assim não terá que realizar a troca da água toda semana. Apenas limpe o filtro regularmente. Mas quando não existe esse sistema, 25% da água deve ser trocada semanalmente. Uma substituição total removeria as bactérias benéficas, tão essenciais à saúde do aquário.

Remova diariamente os resíduos da tartaruga com uma pá, retire os alimentos velhos para não apodrecerem e troque a água de beber sempre.

Saúde

A tartaruga é um animal saudável e a maioria das doenças acarretam do desconhecimento das suas necessidades básicas. Se for fornecido alimentação adequada, luz solar diariamente e manter o ambiente limpo, será bem difícil o animal adoecer.

Encontre um veterinário especializado em répteis, anfíbios e outros animais de estimação exóticos para prestar cuidados para sua tartaruga. Ele irá te ajudar a sanar suas dúvidas sobre os cuidados e garantirá a boa saúde do animal.

Matéria retirada de http://canaldopet.ig.com.br/

Whats App (21) 98479-2939 ou Tel.: (21) 3297-2939 / 2201-7331.
Visite nossa página no facebook.
#shoppingdosbichos #saúdepet #mamãespet #contecomoshoppingdosbichos #petlovers #catlovers #doglovers #euamomeupet #apaixonadosporpets

Papagaio

Pensando em ter um papagaio? Veja como cuidar desta bela ave

O papagaio é bastante comum nas casas brasileiras, sendo famoso pela sua capacidade de fala

O papagaio é conhecido por ser uma ave tagarela. Ele tem uma incrível capacidade de aprender a falar e imitar nós humanos. Na verdade, é o único animal que consegue reproduzir palavras, frases e até músicas. Não é a toa que ele faz bastante sucesso nas casas brasileiras, sua simpatia e espontaneidade conquista corações.

Se você se encantou por esta ave, saiba antes que ter um exemplar não é tão simples. Considerado um animal exótico, o  papagaio  precisa de autorização do IBAMA para se adquirido legalmente. Na natureza, ele é encontrado na Bolívia, norte da Argentina e no Brasil e, infelizmente, sofre bastante com o contrabando ilegal de animais silvestres. Por isso, tenha muito cuidado com a procedência do bichinho.

O papagaio é a única ave que consegue imitar os seres humanos

Na hora de adquirir seu papagaio, procure criadouros confiáveis, exija o comprovante de registro no IBAMA e procure no site da instituição se o local é realmente autorizado. Verifique se a ave possui o anel do órgão com o número de registro. Estes são os passos mínimos para você conseguir seu bichinho do modo correto. Lembre-se, jamais retire um animal silvestre da natureza e o leve para casa.

Agora, se você já seguiu todas as regras e está perto de ter seu papagaio, é preciso saber como cuidar dele. A gaiola deve ser providenciada, os alimentos corretos comprado e todos os outros utensílios. Pensando nisso, iremos te ajudar a cuidar corretamente do seu novo animalzinho.

Gaiola

Você precisa encontrar uma gaiola apropriada para a ave. Caso seja um dono de primeira viagem, consulte um vendedor especializado em algum pet shop que ele irá te instruir adequadamente. Mas, no geral, os formatos quadrados e retangulares são os melhores, pois a ave se sente mais segura num ambiente com cantos.

O tamanho deve ser suficiente para o papagaio conseguir se mover tranquilamente, de forma que suas asas abertas não batam nas grades. É preciso também ter um espaço reservado para colocar comedouro, bebedouro, poleiro e brinquedos. A regra geral é: quando maior melhor. Se tiver condições de comprar uma grande gaiola, invista nela.

Caso ainda esteja com receio sobre o tamanho, saiba qual é o porte do seu papagio. Se ele for filhote, pergunte ao criador até que tamanho ele chega na fase adulta. Tendo em mente estas informações, pode ficar mais fácil na hora de escolher a gaiola. Informe ao vendedor o tamanho do seu bichinho e ele provavelmente te ajudará.

Após comprar a “casinha” do papagaio, escolha um local para colocá-la. Como o papagaio é um animal muito sociável, ele precisa ficar num ambiente movimentado e com bastante interação humana. Se for deixado isolado, pode desenvolver ansiedade de separação. Caso tenha outros animais de estimação, tenha cuidado para não deixar a ave num local de fácil acesso a eles. Pode ser perigoso e estressante para o papagaio a presença destes bichos.

Evite também colocar a gaiola num ambiente com temperaturas extremas. A ave não suporta climas muito baixos e correntes de ar podem adoecê-la, assim como calor em excesso, que causa estresse. Se preferir, coloque um termostato próximo da gaiola para ficar atento as mudanças na temperatura.

Forre o fundo da gaiola com papel ou maravalha, mas evite jornais. Compre poleiros de madeiras. Os de plástico não são firmes e faz com que as patas escorreguem. Com o tempo, a ave pode desenvolver artrite.

Algumas pessoas optam por criar o papagaio fora da gaiola, mas para isso é preciso cortar suas asas antes. Consulte um veterinário se deseja esta opção. Depois disso, ele deve ser adestrado para se comportar quando estiver fora.

O papagaio vive em torno de 80 anos

Brinquedos

Brinquedos são indispensáveis para quem tem um papagaio. Coloque alguns na gaiola, de preferência dos mais variados formatos, cores e sons. Eles estimulam o cérebro do animal e evitam o tédio e estresse. Prefira os feitos de madeira e evite os de pano. Alterne os brinquedos a cada semana para que a ave não enjoe. E, sempre que encontrar algum quebrado ou danificado, o melhor é jogar fora.

Alimentação

A alimentação do papagaio não tem muito segredo. Como todos os animais, ele precisa de uma dieta balanceada a variada. Consulte um veterinário ou um profissional para te instruir os alimentos corretos e a quantidade baseado no seu animal. Mas, no geral, a espécie come sementes, frutas e vegetais. A maioria gosta de uvas, bananas, maçãs, cenouras, bagas, todas as variedades de abóbora cozida, ervilhas, feijões verdes, entre outros. Lembre-se que as frutas tem alto teor de açúcar, então não exagere.

Jamais dê cafeína, álcool, chocolate, lanches muito doces ou salgados, alimentos gordurosos, feijões secos ou crus, folhas de ruibarbo, endro, repolho, aspargos, berinjela ou mel. Abacate e cebola também são proibidos, pois são venenosos.

A água do bebedouro também deve se trocada diariamente para estar sempre fresca. Os pássaros não costumam beber muita água, pois as frutas já tem uma quantidade alta de água, mas nunca deixe de oferecer o líquido.

Higiene

Limpe a gaiola a cada dois dias. Retire toda a sujeira, como fezes e restos de alimentos, troque o forro e substitua por um novo. Evite deixar dejetos por muito tempo, pois pode ocorrer proliferação de doenças. Limpe também o bebedouro e comedouro diariamente, troque a água todos os dias e não deixe comida velha nos recipientes.

Uma vez por semana higienize a gaiola. Use um desinfetante próprio, vendido em lojas especializadas. Os produtos comuns podem ser fortes demais e prejudicar seu pássaro.

Saúde

Visite regularmente o veterinário para ficar atento a saúde do papagaio. Ele costuma ser saudável e não ter problemas graves, mas é importante realizar checagens periódicas para evitar enfermidades. Fique atento a sinais de doença, como fezes de coloração e textura estranha, perda de apetite, mudanças na aparência, dificuldades para respirar, perda de peso e perda da vivacidade. Seu animalzinho irá agradecer se for bem cuidado.

* Quer ter um papagaio? Nós do Shopping dos Bichos recomendamos o Criadouro Passaredo, que é devidamente registrado e certificado pelo INEA.

Matéria retirada de http://canaldopet.ig.com.br/

Whats App (21) 98479-2939 ou Tel.: (21) 3297-2939 / 2201-7331.
Visite nossa página no facebook.
#shoppingdosbichos #saúdepet #mamãespet #contecomoshoppingdosbichos #petlovers #catlovers #doglovers #euamomeupet #apaixonadosporpets

gato-banho

Como eliminar os pelos dos animais da casa

Ter gato ou cachorro não precisa ser sinônimo de uma casa cheia de pelos! Confira alguns truques para eliminar a sujeira sem estresse e viver em harmonia com o seu peludo.

 

Se você está pensando em ter um animal, saiba que a rotina de limpeza mudará bastante, principalmente a frequência. Por isso, é importante pensar bem se terá tempo e disposição para tanto. Se a resposta for sim, apresentamos abaixo o seu mais novo arsenal de cuidados para eliminar os pelos da casa:

1. Aspirador de pó
Este item já deve ser um velho conhecido seu. Agora, mais do que nunca, ele se tornará o seu melhor amigo. Prefira usá-lo no lugar da vassoura que, muitas vezes, acaba espalhando e levantando esse tipo de sujeira.

2. Rodo
Quer algo mais prático? Aposte no rodo, que puxa os pelos de forma mágica! Não precisa de pano nem água. Por isso, essa técnica é perfeita para qualquer tipo de piso ou tapete. A versão menor do rodo, usado na pia da cozinha, é perfeita para o sofá!

3. Fita adesiva
Para tirar os pelos dos tecidos, você pode apostar naqueles rolos adesivos disponíveis no mercado, porém, uma alternativa mais econômica a esse produto é a fita adesiva, daquelas usadas para fechar caixas de papelão, com cerca de 5 cm de largura. Você pode enrolar um pedaço em volta dos seus quatro dedos (deixar o dedão de fora), com a face colante para cima. Depois é só pressionar a fita pelo tecido.
4. Luvas de borracha
Os gatos e cachorros adoram ficar no sofá. Se isso acontece na sua casa, provavelmente esse móvel está cheio de pelos. Aquele par de luvas que você usa na faxina pode resolver o drama. Não tem segredo: coloque as luvas e passe pelo móvel puxando os pelos.

5. Capas para tudo
Está tudo limpo na casa? Ótimo. Agora o desafio é manter. Onde for possível, você pode optar pelas capas, que são práticas e podem ser retiradas e lavadas sempre que necessário. Entre as opções estão as capas para sofá e para edredom, caso o pet durma com você. Depois de lavar na máquina esses tecidos, não esqueça de higienizá-la de acordo como é orientado no manual ou até retirando com a mão os pelos que ficam acumulados no fundo do tambor, caso contrário, terá uma surpresa desagradável após lavar suas roupas.

gato-banho (Foto: Thinkstock)

Dicas para evitar a queda dos pelos dos animais

Alimentação balanceada
A veterinária Cristiane Marialva, da clínica Animall Pet Story, alerta que a escolha adequada da ração é primordial para a saúde do animal e, consequentemente, para a dos pelos. O alimento escolhido deve conter todos os nutrientes que o seu pet precisa, sempre levando em consideração a idade, o peso e o porte. Cnverse com o seu veterinário para decidir qual a melhor opção para o seu bichinho.

Escovação diária dos pelos
Todos os dias, sem exceção, principalmente se o animal tiver pelos longos. Dedique cerca de 15 minutos por dia para evitar que grande parte dos pelos se espalhem pela casa inteira. Atenção especial no começo do inverno e verão, quando os animais costumam trocar a pelagem.

Banhos frequentes com escovação para remoção de pelos
Os banhos regulares ajudam a eliminar os pelos mortos e, consequentemente, caem menos pela casa. Vale também investir em uma escovação específica para remoção dos pelos, feitas nos petshops, conta a veterinária. Os felinos em especial agradecem, pois isso ajuda a evitar o acúmulo de bolas de pelos no intestino.

Tosa
Em alguns períodos como no verão, quando os pelos podem cair mais, tosar um animal de pelagem longa pode ser uma boa alternativa para diminuir o volume de pelos espalhados pela casa.

Suplementação vitamínica e mineral
Se nenhuma das opções acima surtir efeito e os pelos continuarem caindo em excesso, Cristiane orienta buscar ajuda profissional para descobrir se a causa não se trata de alguma deficiência vitamínica, que pode ser reposta com suplementação.

Matéria retirada de https://revistacasaejardim.globo.com/

Whats App (21) 98479-2939 ou Tel.: (21) 3297-2939 / 2201-7331.
Visite nossa página no facebook.
#shoppingdosbichos #saúdepet #mamãespet #contecomoshoppingdosbichos #petlovers #catlovers #doglovers #euamomeupet #apaixonadosporpets

cat

Dicas e cuidados para criar gatos em apartamentos

Atualmente, boa parte das pessoas que vive nas grandes metrópoles do Brasil moram em apartamentos, precisando lidar com espaços mais restritos e tirar o maior proveito possível da área útil que têm. E se, em alguns casos, já é difícil administrar a própria vida em um espaço pequeno, para quem tem um pet essa tarefa é ainda mais complicada, principalmente se o animal for um cachorro (já que em alguns condomínios a sua presença pode ser proibida).

No entanto, quem gosta dos gatos fica em vantagem nessa hora, já que além de ter certa facilidade para se adaptar a novos ambientes, os felinos também precisam de bem menos espaço que os cães para viver bem, e ainda se destacam por serem animais extremamente limpos e, na maioria esmagadora dos casos, bastante quietos.

Pensando nisso, muitas pessoas que tem a vontade de ter um amiguinho de quatro patas dentro de um apartamento acaba optando pelos bichanos. Porém, não é o simples fato de este animal ser mais independente e quieto que vai garantir a sua qualidade de vida ou o seu equilíbrio em um espaço pequeno, e há uma série de providências e cuidados que devem ser tomados ao levar um per felino para casa, conforme você confere abaixo:

– Telas e proteções específicas para as janelas e a varanda do apê são fundamentais. Os felinos, embora domesticados, tem um grande espírito caçador e selvagem, podendo provocar acidentes graves caso não haja barreiras em tais locais.

– Mesmo sendo mais independentes e calmos que os cães, os felinos também precisam de exercícios físicos para manter a saúde e gastar energia, evitando problemas como o da obesidade. Por isso, é importante contar com brinquedinhos variados para o gato brincar, além de acessórios como arranhadores, que ajudam a distrair e entreter o pet enquanto evitam arranhões nos móveis da casa.

dicas e cuidados para criar gatos em apartamentos 2

– Separar um espaço só para o gato dentro do lar também é importante, já que mesmo convivendo bem em locais menores, os felinos necessitam de certa ‘privacidade’, e deixar a caixa de areia do bichano em um ponto específico também é importante.

– Vale lembrar que organizar a casa para a chegada do animal e impor regras também são fatores fundamentais para o bem-estar do pet, e dar uma boa criação para o animal (com muito carinho, cuidados e limites) é sempre a melhor forma de evitar problemas ao ter um felino como bicho de estimação.

Matéria retirada de https://www.vix.com/

Whats App (21) 98479-2939 ou Tel.: (21) 3297-2939 / 2201-7331.
Visite nossa página no facebook.
#shoppingdosbichos #saúdepet #mamãespet #contecomoshoppingdosbichos #petlovers #catlovers #doglovers #euamomeupet #apaixonadosporpets

Cuidados

Saiba como cuidar de filhotes de cachorro recém-nascidos

Geralmente a mãe dos filhotes se encarrega de todos os cuidados, mas cabe aos donos ajudarem a nada sair do rumo natural

Quem tem fêmeas não castradas em casa sabe que corre o risco dela engravidar algum momento na vida e, caso já tenha acontecido, parabéns, sua cadelinha dará à luz a lindos filhotes de cachorro. Saiba que as suas responsabilidades irão aumentar a partir de agora, pois os bebês precisarão de sua ajuda para crescerem fortes e saudáveis.

Por sorte, boa parte dos cuidados a mãe dos filhotes dará conta sozinha. A sua função será garantir que nada saia do rumo natural, e se sair, esteja pronto para intervir e ajudar. No entanto, pode não ser tão simples assim cuidar de filhotes de cachorro.  É importante se informar antes para estar preparado. Por isso, iremos te ajudar nesta tarefa com algumas dicas.

É preciso ficar atento aos cuidados com filhotes de cachorro para crescerem forte e saudável

Retirando o filhote da barriga

Este item é importante para o caso dos filhotes nascerem em casa e sem a ajuda de um profissional. Primeiramente, você precisa saber extrair os cães dos invólucros fetais para não inalarem o líquido e morrem asfixiado. Depois fazer isto, limpe a boca e as narinas da mucosidade que possa ter entrado. A opção mais simples é segurar o cãozinho pelas patas traseiras. Se ele não começar a respirar com este método, sopre com força no nariz. E, se ainda não tiver dado certo, mergulhe rapidamente a cabeça dele em água fria.

Caso tudo ocorrer bem e o filhote começar a respirar, seque-o com uma toalha macia. Depois a mãe se encarregará instintivamente de cuidar dele, direcionando-o para receber a primeira amamentação.

Atenção ao ambiente

Como qualquer recém-nascido, o mundo externo é estranho e frio, bem diferente do ambiente quentinho e seguro da barriga da mãe. Por esta razão, você deverá proporcionar um local parecido com a barriga para o filhote se sentir acolhido. Muitos filhotes não sobrevivem por não conseguirem se aquecer após o parto.

Nas três primeiras semanas de vida, o cãozinho é muito frágil e nem consegue regular a temperatura corporal sozinho. Geralmente a mãe se encarrega de mantê-los aquecidos, então prepare uma área especial para a mãe e os filhotes, de preferência confortável, quente e reservado. Forre o local com um colchonete, almofadas e mantas grossas. Não se esqueça de sempre manter tudo limpo para manter a saúde dos bebês.

Entretanto, se não for possível que a mãe aqueça a ninhada, você deverá criar artificialmente este ambiente. Faça um “ninho” com uma caixa de papelão, forre-a com jornais, cubra-a com uma toalha limpa e encha de mantas. Cuide para que a temperatura do local esteja sempre estável, entre 20ºC e 22ºC. Deixe também uma caminha para os bebês num lugar limpo e tranquilo.

É preciso ficar atento aos cuidados com filhotes de cachorro para crescerem forte e saudável

Observe-os regularmente

É importante ficar atento nos primeiros meses de vida, pois é o período que são mais frágeis. Observe se eles respiram direito, se movimenta-se normalmente, se a progenitora está os amamentando corretamente, entre outros.

Preste também atenção em possíveis sinais de doença, como diarreia e vômitos, e comunique rapidamente um veterinário caso tenha algo errado. Além disso, evite separá-los da mãe no início, pois esta relação é importante para o bem-estar físico e psicológico de cada filhote.

Amamentação

A amamentação é a parte mais importante na vida de qualquer mamífero. Os filhotes de cachorro precisam do leite da mãe para receberem o colostro, indispensável para o desenvolvimento. É ele que dará imonoglobulinas, gordura, carboidratos, água e proteínas. É imprescindível que os cãezinhos amamentem o mais rápido possível.

Caso eles não tenham acesso a esse leite, seja porque a mãe tem problemas na lactação, rejeitou a cria ou morreu no parto, você terá que alimentá-los com um mamadeira. Existem um leite específico para cães recém-nascidos que é vendido em pet shop, mas a melhor opção é consultra um veterinário antes de comprar.

Durante a primeira semana, são necessárias oito refeições diárias a cada duas ou três horas. À medida que vão crescendo, o intervalo vai aumentando. Na semana seguinte, passa-se para sete reduzindo até chegar a três ou quatro refeições diárias na época do desmame. Com um mês já podem comer alimentos moles e depois sólidos. Durante todas essas etapas, verifique regularmente se os filhotes estão aumentando o peso, pois os que não ganham massa podem não sobreviver.

É preciso ficar atento aos cuidados com filhotes de cachorro para crescerem forte e saudável

Necessidades fisiológicas

Diferente de nós humanos que urinamos e defecamos naturalmente, os filhotes de cães precisam ser estimulados. A mãe faz isso lambendo a região genital e perianal. Mas, caso isto não ocorra, o cão acabará eliminando os resíduos sozinho, mas não é o recomendado. A falta de estímulos causará dor, estresse, cólicas e outras complicações de saúde.

Para evitar este problema, caberá a você ajudar o bebê neste precesso. Utilize um algodão umedecido para simular as lambidas da mãe. É uma medida simples, mas que exige dedicação, pois deverá ser realizada pelo menos 10 vezes ao dia durante as primeiras semanas de vida. Faça um revezamento entre os moradores da casa para ajudar o pequeno filhote.

Socialização

A socialização é uma parte necessária e indispensável na vida de qualquer cachorro, ainda mais quando filhote. Ela irá garantir que o animal cresça saudável, feliz e apto para interagir com você, outros cães e o mundo exterior. Por isso, logo que a ninhada nascer, mantenha os bebês todos juntos e com a mãe. Isto irá ensiná-los a se relacionar, adquirir comportamentos próprios da espécie e futuramente desenvolver confiança emocional para viverem sozinhos.

Fique atento caso algum dos filhotes se isole do grupo e aproxime-o. Entretanto, não force demais, pois cada um tem sua personalidade e caráter.

É preciso ficar atento aos cuidados com filhotes de cachorro para crescerem forte e saudável

Visita ao veterinário

Não deixe de visitar o veterinário para ficar de olho na saúde dos filhotes e começar a desparasitação e vacinação. A partir da segunda semana já deve ficar atento a isso. Confirme com um profissional de confiança as datas, mas geralmente a desparasitação começa com duas semanas de vida. Já as vacinas costumam ser dadas na sexta ou sétima semanas, próximo da época do desmame.

Além disso, a visita ao veterinário também é importante para a implantação de chip – caso seja a opção dos donos – para serem achados caso se percam e realização de castração. Evite sair com os filhotes de cachorro antes de completarem três meses de vida, pois o risco de contraírem doenças é bem grande. Preze pela saúde dos bebês antes de mostrá-los ao mundo.

Matéria retirada de http://canaldopet.ig.com.br/

Whats App (21) 98479-2939 ou Tel.: (21) 3297-2939 / 2201-7331.
Visite nossa página no facebook.
#shoppingdosbichos #saúdepet #mamãespet #contecomoshoppingdosbichos #petlovers #catlovers #doglovers #euamomeupet #apaixonadosporpets

unnamed-5780924

Pets também vão pular o Carnaval nesse fim de semana

Olha o blocão aí, gente!!!! É, o Carnaval não é só para humanos. Tem Carnaval bom pra cachorro também. O BloCão, criado especialmente para os pets, estará neste sábado, na Praça do Ó, na Barra da Tijuca, a partir das 9h. Além de muita folia, tem assistência veterinária com profissionais da Petz, brindes e concurso de fantasia. E tudo de graça! Já os peludos de Botafogo vão poder se divertir também neste sábado, na Praça Nelson Mandela, no bloco Late, Mas Não Morde, a partir das 18h. É de graça também!!! E neste sábado também tem bloco de pets no Parcão da Lagoa, das 9h às 13h.

A farra é boa, mas é preciso cuidados muitos especiais com os cachorros durante a folia. Por isso, fique com as dicas da gerente de clínicas da Petz Karina Mussolino, para seu bichinho de estimação não atravessar o samba:

1 – escolha fantasias confortáveis, que não tapem os olhos, não dificultem a locomoção e não sejam apertadas. Opte também por tecidos leves.

2 – Para a folia céu aberto é preciso fugir do sol para evitar a hipertermia, e muita hidratação. Leve uma garrafinha com água e evite sair com os peludos entre 10h e 16h. Usar protetor solar para pets é fundamental.

3 – O som muito alto dos blocos pode assustar os cães, por isso evite ir a locais muito barulhentos e dê preferência para eventos especiais para pets.

4 – Muita gente junta também pode não ser confortável para eles. O uso de guias e coleiras é indispensável. Elas vão evitar que seu cão se perca de você e que ele entre em conflito com outros cães do blocos.

5 – É fundamental que os peludos estejam com a vacinação em dia, pois ele vai ter mais contato com outros pets. Além disso, essa época do ano é chuvosa, que pode trazer risco de leptospirose.

Com esse passo a passo seu carnapet está garantido!

Programação está variada

E tem programação também para quem não quer cair no samba. Neste sábado, tem a edição do Adotar é tudo de bom, programa promovido pela Pedigree que vai ajudar os peludos da Focinhos de Luz a encontrarem uma família. O bichinhos já estão vacinados e castrados. Eles estarão na Petz da Avenida Ayrton Senna 3.437, na Barra, no Rio. Das 11h às 17h. O Adotar é tudo de bom, que completa 10 anos em 2018 e já mudou a realidade de mais de 62 mil cães abandonados no país por meio do estímulo à adoção e posse responsável. Entre nessa campanha e ajuda você também a mudar a realidade de um peludo. Os candidatos devem estar com RG, CPF e comprovante de residência original e vão passar por uma entrevista com os organizadores. E lembre-se: adotar um animal é muita responsabilidade, portanto pense bem antes de fazê-lo.

Quem quiser um Carnaval diferente é só ir ao AquaRio até a próxima-terça-feira e cair na folia com o “Carnaval do Zé Tubarino”, que promete música, confete e serpentina e atividades lúdicas para as crianças, que poderão ir fantasiadas. Uma das atrações será o Grupo Lekolé, que comanda o bailinho de carnaval, das 10h30 às 12h. A companhia, criada pela atriz e bailarina Letícia Pope e pelo músico Kuko Moura, é garantia de diversão, já que mistura roda de ciranda, contação de histórias e música ao vivo. Durante a matinê infantil, haverá também distribuição de máscaras carnavalescas. Durante a folia a adesão ao programa anual terá valor promocional a R$ 99,90. Praça Muhammad Ali, Gamboa (em frente aos Armazéns 7 e 8). Das 10h às 18h, com entrada no circuito até 17h. Mais informações em aquariomarinhodorio.com.br.

Matéria retirada de https://odia.ig.com.br/

Cuide de quem você ama, nós do Shopping dos Bichos contamos com diversos especialidades que vão ajudar você a cuidar do seu pet.

Whats App (21) 98479-2939 ou Tel.: (21) 3297-2939 / 2201-7331.
Visite nossa página no facebook.
#shoppingdosbichos #saúdepet #mamãespet #contecomoshoppingdosbichos #petlovers #catlovers #doglovers #euamomeupet #apaixonadosporpets

cachorro-tem-gripe

Cachorro tem gripe como a dos humanos?

Saiba como identificar e de que maneira agir quando o seu cachorro tem gripe

Muito comuns aos seres humanos, as gripes e resfriados aparecem bastante nas épocas em que as temperaturas são baixas e secas e, na maioria das vezes, são facilmente tratadas. No entanto, o que muitos não sabem é que os animais também sofrem com este tipo de ocorrência ao longo da vida, e cachorro tem gripe.

Os cães podem ser contaminados pelo problema de diferentes maneiras e, na maioria das vezes, não é difícil identificar quando um cachorro tem gripe, já que os seus sintomas se apresentam de forma similar com a das pessoas. Fatores que incluem friagem, ventos fortes e gelados e a temperatura muito baixa também influenciam na aparição da gripe canina; no entanto, o vírus da Parainfluenza Canina e do Adenovirus Tipo II, além da bactéria Bordetella Bronchiséptic, também podem ser tidos como agentes da doença, e provocar, inclusive, a famosa Tosse dos Canis.

Em todos os casos, os sinais são bastante característicos, e destacam a tosse seca (que dá a impressão de que o animal está engasgado com alguma coisa) como o sintoma mais típico da gripe canina.

cachorro-tem-gripe

Espirros, secreções nasais e a expectoração de uma espuma branca pela boca também são ocorrências frequentes nos cães gripados. Porém, nos casos em que a doença ganha mais força, ela pode ser responsável por gerar uma série de outras complicações para a saúde do animal; podendo até transformar-se em uma pneumonia – que é muito mais difícil de ser tratada e pode levar o animal ao óbito.

Os cães com uma propensão maior a desenvolver casos mais graves da gripe e da tosse canina são os filhotes, os idosos e os que, por algum motivo, tenham problemas de imunização. Além destes, os cachorros de raças braquicefálicas (de focinho mais curto) também têm uma predisposição maior a enfrentar problemas sérios durante uma gripe; já que contam com uma capacidade menor de “filtrar” o que é respirado pelo nariz até que o ar chegue ao seu pulmão, levando mais impurezas e bactérias para seu corpo.

Conforme a doença se desenvolve e se torna mais agressiva, sintomas como febre, secreções oculares, falta de apetite e apatia, entre outros, começam a aparecer – sendo que, se a doença não for tratada de maneira correta, esse quadro pode evoluir para a pneumonia. Com isso em mente, fica claro que, ao notar qualquer sinal de gripe no seu cãozinho, a melhor pedida é correr para uma clínica veterinária – onde ele poderá ser avaliado por um profissional e, se for necessário, medicado.

Embora haja casos em que a doença pode trazer graves consequências (incluindo a morte do animal), esse tipo de situação acontece, principalmente, em função do não tratamento do pet e, na grande maioria dos casos, os cachorros com gripe são facilmente curados – exigindo apenas alguns cuidados como ficar longe de friagens e a administração de antibióticos (que devem ser receitados por um médico veterinário) e anti-inflamatórios.

Matéria retirada de http://www.cachorrogato.com.br/

Cuide de quem você ama, nós do Shopping dos Bichos contamos com diversos especialidades que vão ajudar você a cuidar do seu pet.

Whats App (21) 98479-2939 ou Tel.: (21) 3297-2939 / 2201-7331.
Visite nossa página no facebook.
#shoppingdosbichos #saúdepet #mamãespet #contecomoshoppingdosbichos #petlovers #catlovers #doglovers #euamomeupet #apaixonadosporpets

vacina-para-cachorros

Saiba quando começar o ciclo de vacina para cachorros, conheça as doenças prevenidas pela vacinação em cães.

Ter um animal é sinônimo de cuidar bem dele, logo, a vacina para cachorros é um item muito importante para a saúde e a qualidade de vida do pet. Sejam as combinadas, a de raiva, gripe ou giárdia, é essencial que eles estejam imunizados de todo tipo de doença.

Algumas das patologias que podem ser evitadas por uma vacina para cachorros são hepatite infecciosa, parvovirose, cinomose, giárdia, parainfluenza, tosse canina e a raiva, que se contraídas podem não ter soluções, chegando a tornar-se fatais.

vacina-para-cachorros

É importante ressaltar que todas elas devem ser aplicadas por um veterinário, pois somente um especialista da área é preparado para o procedimento correto, evitando problemas e danos maiores ao bichinho, que já irá ficar amedrontado na hora e com reações adversas após algumas delas. Estes efeitos pós-vacinação são normais, mas nada melhor do que dar carinho para ele depois e saber que tudo é para o seu bem-estar, não é?

É essencial que desde filhote o animal já comece a ser vacinado, por isso, aos 45 dias de vida ele já deve tomar as primeiras doses, que no caso são das polivalentes V8 ou V10, o imunizando de cinomose, parvovirose, hepatite infecciosa canina, parainfluenza, coronavirose, adevovirose e leptospirose. Estes tipos de vacinas para cachorros tem o benefício de conter em uma só agulhada todos os antígenos, evitando que seja aplicada uma a uma e traumatizando o bichinho.

A segunda dose, que deve ser dada pelo menos 21 dias depois da primeira, também será administrada juntamente a da tosse, tão comum em cães, mas que se não tratada pode trazer intensas complicações.

Seguindo corretamente o calendário das vacinas para cachorros, a cada 3 semanas o seu peludo deve visitar o veterinário até encerrar o ciclo. Anote a sequência delas:

  • Vacina VX (1ª dose polivalente, sendo a V8 ou V 10);
  • Vacina VX (2ª dose) + Vacina TC (1ª dose da específica para tosse);
  • Vacina VX (3ª dose) + Vacina TC (2ª dose);
  • Vacina GI (1ª dose contra Giárdia);
  • Vacina GI (2ª dose) + Vacina VR (Antirrábica).

Dicas importantes: O cachorrinho deve estar bem nutrido, já com os vermífugos ministrados (e com a certeza de que já estão sadios quanto a isto), mantenha o seu amigão dentro de casa, sem contato com outros bichinhos até que ele esteja totalmente imunizado.

Vacinas para cachorros: conheça as doenças evitadas por elas uma a uma

Todas as vacinas para cachorros tem a sua importância, portanto, não descarte nenhuma medindo se há mais ou menos necessidade. As polivalentes trazem diversas imunizações em uma mesma aplicação, contudo, ainda assim o seu bichano tem de tomar a de gripe canina, tosse, raiva e giárdia, para garantir a saúde dele de uma vez por todas.

Hepatite Infecciosa Canina

A Hepatite Infecciosa Canina (HIC), também conhecida como Doença de Rubarth, é infectocontagiosa através de vírus, onde depois que entra no organismo do animal se espalha para todos os tecidos, instalando-se com mais intensidade nos hepatócitos (células do fígado) e células endoteliais (da pele).

Para saber se o pet está com esta doença (caso ainda não tenha iniciado o ciclo das vacinas para cachorros), os sinais são vômitos, diarreia, febre, dor abdominal, linfadenopatia (crescimento dos gânglios linfáticos), faringite, tosse, edema cervical e hemorragia. Esta patologia também afeta o Sistema Nervoso Central, dando algumas sequelas como desorientação, ataques convulsivos, depressão e chegando até a fazer com que o cão entre em coma.

Cinomose

A cinomose é uma doença que chega a atingir vários órgãos silenciosamente, podendo ser fatal. É transmitida pelo contato direto entre um animal infectado e outro sadio (principalmente em canis), além de itens já contaminados pelo vírus. Por isso é muito importante que as vacinas para cachorros sejam ministradas logo.

Entre os sintomas estão apatia, perda de apetite, falta de coordenação, vômito, diarreia, tosse e espirro, febre, além de secreções no nariz e olhos.

vacina-para-cachorros-caes

Parainfluenza

Também chamada de tosse canina, assim como a cinomose é passada de um animal doente para o outro saudável. Ela pode ser diagnosticada pela coriza, febre, tosses, secreções e deixa o animal debilitado, abrindo espaço para o contágio de outras doenças mais crônicas, agravando ainda mais o quadro clínico dele. Dependendo do caso chega a situações irreversíveis.

Parvovirose

Doença viral passada pelas fezes, é muito perigosa principalmente em filhotes, por isso a importância das vacinas para cães logo no início da vida dos pets. Diferentemente do que muitos pensam, não é necessário que o bichinho coma as fezes, mas o simples fato de lamber suas patinhas ou algo que tenha estado em contato com elas já basta para que ele contraia a doença.

Para saber se o seu cachorro está com parvovirose observe sintomas como febre, palidez, desidratação, depressão, problemas no sistema respiratório e vômito.

Coronavirose

A Coronavirose Canina, que também pode ser chamada de Gastroenterite Contagiosa dos Cães, tem origem por um vírus similar ao da Parvovirose, causada pela ingestão de alimentos contaminados. Sendo assim, o intestino do cão fica comprometido, já que além da morte das células locais, todo o alimento ingerido tem seus nutrientes também absorvidos pelos agressores.

Os sinais clínicos são vômito, diarreia em forma líquida e com jatos intensos, falta de apetite, olhos lacrimejantes, sonolência e febre.

vacina-para-caes-cachorros

Raiva

A raiva é um vírus que pode ser passado do animal para as pessoas e é transmitida por mordidas ou arranhões dos infectados para os saudáveis.

Como os principais indícios estão a confusão, agressividade, desorientação, dificuldade para engolir, momentos de alucinação, paralisia motora, salivação excessiva e espasmos. Ela pode ser de três tipos: Raiva Furiosa, Raiva Muda e Raiva Intestinal, mostrando mais uma vez a importância das vacinas para cachorros tanto quando filhotes, como anualmente já adultos.

Giárdia

A giárdia, giardíase ou lambiose vem do protozoário consumido pela água ou fezes infectadas. Embora os seus trofozoítos (a forma ativa que se movimenta, alimenta e reproduz) não sobrevivam quando estão fora do seu ambiente, os cistos deixados são altamente perigosos. É uma patologia assintomática, sendo detectada somente pelo exame fecal.

Os sintomas dela são: dor abdominal, fezes com sangue e/ou diarreia com odor forte, vômito, desidratação e perda de peso.

Tosse dos Canis

Ela é passada pelas gotas de tosses ou espirros de um cão doente para um sadio. Dentre as vacina para cachorros esta pode não ser só por meio de agulha, mas também através da inserção via nasal.

Entre os sinais clínicos podem ser destacados a tosse seca e áspera, espirros e secreção no nariz. Quando ela não é tratada, pode virar pneumonia e, então, irreversível.

Os cães que já estão com alguma doença são os mais suscetíveis a ela, explicando a extrema necessidade das vacinas para cachorros serem iniciadas o quanto antes, já que esta faz parte da segunda dose (em torno dos dois meses e meio de vida do peludo) e deve ser reaplicada ano a ano.

Quais precauções e efeitos colaterais das vacinas para cachorros?

Vale ressaltar que o pet deve estar em ótimas condições de saúde ao ser vacinado, para a total eficácia da imunização, sendo que o veterinário irá avaliar o animal e, dependendo do caso, pedindo para que ele retorne depois de curado.

Outro fator importante é a procedência das vacinas para cachorros, tendo de ser de um consultório ou centro específico de confiança, evitando charlatanismos e, consequentemente, que os pets fiquem desprotegidos.

A presença do dono pode ser favorável ou não, já que o cão pode memorizar a situação com a participação do seu melhor amigo e, deste modo, ficar chateado, emburrado e até mesmo indiferente por alguns tempos. Então, sempre avalie a personalidade do seu pet para este momento. Pergunte-se: “Vale a pena eu segurá-lo, para que ele sinta confiança em mim nesta hora, ou é melhor que outra pessoa faça isto e eu saia do local, evitando esta associação?”.

Quanto aos efeitos colaterais, é muito comum que nas primeiras 24 horas ele fique com o local da aplicação dolorido, portanto, evite pegá-lo no colo e caso seja necessário, o faça com cuidado e de maneira delicada.

Como as vacinas para cachorros são os antígenos, ou seja, nelas contém “um pouco da doença”, é comum que eles tenham os sintomas da maioria delas, como febre, dor no corpo, apatia, sonolência, canseira e perda de apetite, sendo indicado que ele permaneça em repouso até passarem todas essas reações.

Matéria retirada de http://www.dogscare.net/

Cuide de quem você ama, nós do Shopping dos Bichos contamos com diversos especialidades que vão ajudar você a cuidar do seu pet.

Whats App (21) 98479-2939 ou Tel.: (21) 3297-2939 / 2201-7331.
Visite nossa página no facebook.
#shoppingdosbichos #saúdepet #mamãespet #contecomoshoppingdosbichos #petlovers #catlovers #doglovers #euamomeupet #apaixonadosporpets

Cao

7 Dicas para Banho em Cachorros

Um dos assuntos mais importantes e essenciais para a saúde do seu cãozinho é a higiene dele!
Por isso aqui você vai encontrar dicas e informações importantes para administrar o banho em cachorros.

1. Filhotes só devem tomar banho após 2 meses

Esta informação é muito importante!
Se você tem um filhote de cachorro em casa, atenção! Para levar para banhos em pet shop, o filhote precisa ter completado o ciclo de vacinas, ou seja, ele deve ter mais que 2 meses de idade, para que não passem pelo risco de contraírem doenças.
Filhotes são sensíveis e possuem imunidade baixa, e por isso é necessário verificar com o veterinário antes de qualquer coisa. Pode ser que o banho em casa seja liberado, o que necessita de cuidados especiais! Se for o seu caso, leia a dica 6!
banho em cachorros
O que a maioria dos veterinários recomenda é banho apenas com algodão umedecido em água morna, lenços umedecidos ou produtos para banho a seco, como este. Leia as próximas dicas para entender melhor e saber o que fazer!
Outra informação importante é que filhotes que ainda mamam podem ser rejeitados pela mãecaso sejam utilizados no banho shampoos ou perfumes muito fortes. Considerando que o faro dos cães é muito superior ao nosso, qualquer perfume pode ser um risco para o filhote! São as mães que cuidam da higiene dos filhotes, e qualquer intervenção humana pode atrapalhar.

2. A frequência ideal para dar banho

Banho demais pode fazer mal! Por isso, é importante administrar uma frequência ideal de banho em cachorros.

O recomendável é de cerca de 30 em 30 dias no inverno (1 vez por mês) e no máximo de 15 em 15 dias no verão, para cães de pelo curto que morem em apartamento.

banho em cachorros

Já os cães de pelo longo que demandam um banho mais frequente, bem como cães que vivem em casas, terrenos, quintais e que se sujam mais, existem outras soluções. Por exemplo, é possível lavar ou limpar apenas as patinhas quando estiverem muito sujas, ou as orelhas e pontas dos pelos, para os que possuem orelhas compridas e pelos que ficam em contato com o chão.

Existe também a opção de banho a seco, como o Fluido Desembaraçador Mega Pet Society, que é ótimo para pentear, desembaraçar e também higienizar os pelos.

3. Necessidade de Produtos Especiais

É essencial que o seu cão passe por uma consulta no veterinário para que sejam identificadas possíveis necessidades específicas, como alguma doença de pele ou alergia.

Para cada caso, existe um produto especial para o tratamento e você pode dar banho em casa mesmo e cuidar da pele do seu cachorro.
As doenças de pele mais comuns são:

  • Micose: comum em filhotes que ficam em contato com terra e toalhas ou objetos contaminados;
  • Sarna: doença causada por um tipo de ácaro que provoca muita coceira e é dividida entre escabiose e sarna negra,
  • Alergia: a picadas de pulgas e ácaros;
  • Infecções: são semelhantes à micose e alergia, mas merecem maior atenção pois o tratamento deve ser intenso;
  • Seborreia: sim, cães também podem ter a “caspa”;
  • Problemas hormonais: problemas no organismo do cachorro também podem causar dermatites (doenças de pele), por isso a saúde dele deve estar em dia, assim como a alimentação e higiene.

Se o seu cachorro for diagnosticado com uma destas doenças, será necessário um tratamento, e para isto existem produtos específicos e especiais a serem aplicados com atenção.

Se o cachorro também tiver pulgas ou carrapatos, é extremamente necessário utilizar cosméticos específicos para remove-los. Você pode saber mais sobre pulgas clicando aqui.

Continue lendo nossas dicas para entender melhor e saber o que fazer no tratamento do seu cachorro.

4. Mantenha a escovação em dia

Tão importante quanto o ato do banho, é a manutenção diária dele, ou seja, a escovação dos pelos. Fique de olho para identificar sempre que seu cachorro precisar de uma escovação, que é muito importante para manter uma boa saúde da pelagem.

banho em cachorrosAntes do banho também é muito importante que o pelo seja escovado, para assim remover pelos mortos e melhorar bastante a eficácia de limpeza dos shampoos e cosméticos de tratamento.
Para algumas raças, geralmente as com pelos longos e finos, é recomendável usar produtos que desembaracem os pelos, facilitando o processo de escovação, como este que já citamos.

escovação é um processo importante e que deve ser realizado com calma e carinho, portanto, tenha paciência, penteando a pelagem de maneira firme, mas cuidadosa, principalmente quando for desfazer nós.
Se aplicar força demais o pet se machuca e pode ficar traumatizado.
Nós recomendamos também a escova Furminator, que é uma ferramenta exclusiva para eliminar pelos mortos enquanto distribui uniformemente os óleos naturais da pelagem, responsáveis pela saúde da pele e aparência dos pelos, deixando um pelo limpo e com muito mais brilho!

5. Como escolher: banho em casa ou em pet shop?

Esta é uma decisão que merece atenção especial. Se o veterinário não determinar algum cuidado especial e deixar a você a escolha entre banho em casa ou pet shop, pense bem!

Caso prefira levar ao pet shop, procure por boas indicações, dê preferência aos pet shops em que pessoas conhecidas e de confiança também levam seus cãozinhos e se possível, solicite para acompanhar seu cachorro no primeiro banho, para observar como ele se comporta e como o profissional do banho lida com ele.

banho em cachorros

Observe também como seu cachorro se comporta, se ele sente medo ao ir a pet shop, se demonstra algum tipo de comportamento estranho e negativo com o profissional.
A linguagem canina pode dizer muita coisa, saiba mais clicando aqui.

Caso você escolha por dar banho em casa, siga nossa próxima dica! Esta decisão é muito boa, pois o cachorro costuma ficar mais tranquilo na companhia de seu dono e em um ambiente já conhecido dentro de casa.

Dar banhos em casa também é indicado a quem tem filhote ou cão idoso, ou que seja agressivo ou não gosta de pessoas estranhas.
O melhor jeito de escolher o ideal para o seu cão, é observar o comportamento dele mesmo.

6. Passo-a-passo para o banho em casa

● Escolha o melhor horário e local
Os melhores horários são os momentos mais quentes do dia, para que o animal não sinta tanta diferença no contato com a água, que deve ser morna (facilita a eficácia do shampoo)!
Já o local, pode ser o banheiro ou algum lugar confortável para você e para ele, que tenha fácil acesso à água morna. Evite mangueiras com água fria.

banho em cachorros

● Utilize os produtos próprios para o banho
Antes de começar o banho, proteja os ouvidos do cachorro com bolas de algodão. Separe os produtos para o banho, que devem ser shampoos e cosméticos especiais para ele!
Confira aqui os melhores produtos para o banho.
Caso seu cachorro tenha alguma necessidade especial para tratamento de pele, temos aqui os melhores produtos para cada caso.

● Cada parte do corpo merece atenção especial
No momento do banho, lave com carinho e delicadeza cada parte do corpo do cachorro. Cuidado com o rosto para não deixar que os olhos, nariz, boca e ouvidos entrem em contato com o shampoo. Lave bem as patinhas, entre os dedos, a virilha e as dobras, além das áreas íntimas.
Faça leves massagens para que o ato seja prazeroso e relaxante para ele também.

Enxague o shampoo e aplique condicionador se for preciso, para pelos longos serem penteados.
Após o banho, retire todo o produto com água e passe a secar seu cachorro.

● Secagem
Caso seu cachorro permita, utilize secador de cabelos, com cuidado para não esquentar muito e também para o barulho não incomodar tanto os sensíveis ouvidos do seu cachorro.
Utilize toalhas secas, esfregando-as levemente pelo corpo, principalmente para tirar o excesso de água.

banho em cachorros secagem

É importante também que o cão saia ao ar livre e tome um pouco de vento para que elimine toda a umidade após o banho, evitando possíveis doenças e alergias.

Após o banho, ofereça um petisco e muito carinho ao seu cachorro, para que ele associe o banho a algo bom e prazeroso!

7. Mantenha a tosa em dia

A tosa é importante estar sempre em dia, tanto para a saúde e higiene do cachorro quanto no ato do banho.
Portanto, mantenha sempre o pelo aparado, adequando com a temperatura, comportamento e tipo de local em que o seu cão permanece mais.

banho em cachorros tosa

A saúde da pelagem do cachorro se faz desde a alimentação até o corte e manutenção.

Matéria retirada de http://blog.geracaopet.com.br/

Cuide de quem você ama, nós do Shopping dos Bichos contamos com diversos especialidades que vão ajudar você a cuidar do seu pet.

Whats App (21) 98479-2939 ou Tel.: (21) 3297-2939 / 2201-7331.
Visite nossa página no facebook.
#shoppingdosbichos #saúdepet #mamãespet #contecomoshoppingdosbichos #petlovers #catlovers #doglovers #euamomeupet #apaixonadosporpets